terça-feira, novembro 30, 2010

Querido senhor barbudo,

é só para te avisar que escusas vir fazer de sonso outra vez este ano.
Pensei que só a justiça era cega, mas afinal estava enganada. Tu também és um bocado pitosga, a atirar para o amblíope, meio surdo e desconfio que também um pouco manco.
Este ano, se quiseres, nem precisas de passar lá por casa porque eu já resolvi o problema que tens vindo a adiar há já umas décadas.
É ASSIM:  já comprei o meu presente. Não consiste no "mais do mesmo"que me costumas mandar.
Não te vou dizer o que é, para não ficares a pensar "ah, afinal era isso!", mas posso dizer-te que não são cuecas, nem meias nem pijamas. Nem coisas para a casa, nem coisas para a escola. Nem livros comprados ao quilo no jumbo.. Nem mon chéries. Nem aqueles bombons horrendos semelhantes com licores desconhecidos lá dentro. Nem agendas da âmbar, nem velas, nem incenso.
Mantém-te portanto na Lapónia.
Era só para avisar, ok?

Beijinhos às renas.

4 comentários:

Pedro disse...

E um beijo especial ao Rudolfo, não?

Nikkita disse...

Eheh...
Acho que vou copiar a tua carta e manda-la ao Sr. de Vermelho, também....... ;)

Ana disse...

nem com toalhas com bordados ele te convences? daquelas bordadas à mão, lindas, a combinar com o "napron"

inês, a anónima disse...

esqueci-me dessas. Mas não, é melhor que também não as traga!