terça-feira, maio 04, 2010

Blogs que mereciam estar vivos

Adoro, leio e releio, verto inveja verde por não ser meu.
Este é o Xobineski Patruska, o blog que deveria estar vivo.
Leia-se do início ao fim, que merece. Publique-se. Crie-se uma petição para o reanimar, porque nos faz bem ao espírito este sentido de humor. (mais inveja verde a verter, escooooooooorre, desta vez em cima das teclas do portátil) BOLAS!

"João Pedro Pais, poeta injustiçado




Um Resto De Tudo


Desce pela avenida a lua nua

(Estou a descer uma avenida à noite)
Divagando à sorte, dormita nas ruas

(Estou desorientado e com sono. Ao usar ruas em vez de “avenidas” já consigo quase rimar com lua nua)
Faz-se de esquecida, a minha e tua

(Não sei o que acabei de escrever mas pelo menos “tua” também rima com lua nua)
Deixando um rasto, que nos apazigua

(Lua, nua, ruas, tua, apazigua. Boa. Vem aí o refrão!)

Refrão:

Sou um ser que odeias mas que gostas de amar

(Uma contradição fica sempre bem)
Como um barco perdido à deriva no mar

(Grandiosa comparação: “Um ser que odeias mas gostas de amar como um barco perdido à deriva no mar”. As outras hipóteses eram “como um pássaro ferido a tentar voar” e “como um bife vendido, num talho do Lumiar”)
A vida que levas de novo outra vez

(“De novo outra vez”, espero que seja suficiente para passar a ideia de repetição)
O mundo que gira sempre a teus pés

(A Terra gira sobre si própria. É um facto. Já Copérnico o afirmava, mas nunca foi Disco de Platina)

Sou a palavra amiga que gostas de ouvir

(Tu e mais 120 mil que compraram a merda do cd)
A sombra esquecida que te viu partir

(Pá, fica mesmo giro isto de meter sempre um adjectivo estranho à frente dos nomes: palavra amiga, sombra esquecida, noite vadia...)
A noite vadia que queres conhecer

(Abordagem a problemas sociais como a vadiagem e a prostituição)
Sou mais um dos homens que te nega e dá prazer

(Mais uma contradição, estou imparável!)

A voz da tua alma que te faz levitar

(Um certo exotismo oriental)
O átrio da escada para tu te sentares

(Não rima muito bem com levitar, damn it!)
Sou as cartas rasgadas que tu não lês

(Não entendo pá, será que ela não gosta dos meus poemas?)
A tua verdade, mostrando quem és

(O que é a Verdade? Quem somos? Para onde vamos?)

Entra pela vitrina surrealista

(Eu optava pela porta, mas isso sou eu)
Faz malabarismo a ilusionista

(Ou “faz contorcionismo a trapezista”)
Ilumina o céu que nos devora

(Estou completamente pedrado)
Já se sente o frio, está na hora de irmos embora

(Devora, hora, embora...)

Sou um ser que odeias mas que gostas de amar
Como um barco perdido à deriva no mar...
"

2 comentários:

CC disse...

Genial!!!!

Ana Coke disse...

LOL
Mto, mto boa a tua análise =D