quarta-feira, agosto 29, 2007

[momentos de espera com uma caneta na mão]


Havia um trapézio

com uma menina

Que nunca saía,

estava sempre lá em cima


Tinha o coração fora do peito

E um sorriso branco perfeito.

Voava, voava, pelo céu anil,

Presa nas cordas, coração a mil


Olhou para baixo

quando fez o pino

Sorria, por acaso,

quando viu um menino


A menina parou,

Isto, o que seria?

O seu coração

batia, batia!


O menino corou,

ficou extasiado

com aquele sorriso

aveludado


Sem querer distraiu-se

com a sua força,

que se abriu uma jaula

e fugiu uma morsa!


E todo o circo ficou de pantanas,

Batiam palmas as duas manas:

“- Assim nem é preciso palhaço!”

Gritavam, rindo com estardalhaço!


A menina do trapézio

lá se agarrou,

E o seu coração a bater

acalmou


O menino, envergonhado,

olhou para o chão

Quando sentiu alguém

a segurar-lhe a mão


“Os teus passos eu já conheço”,

Disse-lhe ao ouvido

E acrescentou:

"Queres fugir comigo?"

7 comentários:

Leididi disse...

Tão fofinhoooooooooooooo!!O que eu gostava de conseguir fazer versos... gostei muito :)

inês, a anónima disse...

(eu confesso que o fiz na brincadeira, e que o postei aqui, mas com muita, muita vergonha!)

Anónimo disse...

ai pá já pareces o morsa ou a pipoca num dia mau em que se poe a falar do amor entre ela e o namorado e o quanto o ama e isso.
(queixinhas)

inês, a anónima disse...

Não sei porquê. Não é autobiográfico. Além disso sabes perfeitamente que não somos artistas de trapézio:P

Anónimo disse...

eu sou :X
i.

Catarina em Lx disse...

Que bonito!!!!!!!!! Não resisto a divulgar... Espero que não leves a mal ;)

inês, a anónima disse...

Lol *vergonha*